sexta-feira, 11 de abril de 2014

Tipos de sapatos femininos

Pois é mulherada, hoje o Post vai para as #shoeholics, as que são apaixonadas por sapatos

Fiz só para vocês, leitoras do Também é Moda, um resumão dos tipos de sapatos femininos que encontramos no mercado e um pouco da sua história também. Com certeza, saber o nome de cada um ajuda demais na hora da compra! E aprender um pouquinho sobre moda, é sempre bom!

Vamos lá!


Scarpin

O scarpin é o sapato feminino propriamente dito. Por definição, sapato é o calçado que esconde os dedos do pé e é fechado na parte de trás. O scarpin pode ter bico fino, arredondado chamado de "sapato de boneca" ou quadrado. Um scarpin deve ter salto. A medida é de no mínimo 4 cm, e se o salto for maior do que 10 cm, o scarpin passa a ser chamado de “stiletto”. O nome scarpin vem do italiano scarpino, é uma forma reduzida dessa palavra que significa sapato. Como na moda tudo retorna periodicamente, ela trouxe novamente ao pés das mulheres este clássico que foi popularizado no ano de 1947 por Christian Dior, que na época quis introduzir uma nova moda para as moçoilas, que estavam vivendo o fim das guerras e o racionamento de tecidos, querendo assim ser mais glamorosas e femininas.


Sapato de boneca ou Mary Jane

Calçado fechado, porém decotado (peito do pé aberto), bico arredondado, com tira (ou não) que transpassa de uma lateral a outra do calçado sobre o dorso do pé, por uma única fivela. Podem ser saltos médios, baixos e altos.


Stiletto

Scarpin com salto maior do que 10 cm.


Chanel

Como o nome mesmo diz, este modelo foi criado por Coco Chanel na década de 60, com o intuito de diminuir seus pés. Hoje é um clássico, caracterizado pelo bico fino e fechado na frente e pela abertura na parte do calcanhar, presa somente por uma tira fina que continua até o bico. Os primeiros modelos eram bicolores, de bico escuro e restante claro, porém hoje os sapatos Chanel são fabricados em  diversos tecidos e cores.



Mule

O mule é um sapato feminino diferente, com características de outros calçados. Assemelha-se ao tamanco, pois é preso somente pela parte frontal, ao scarpin, pela sua parte frontal fechada e seus bicos mais finos e clássicos, e pode ser considerado uma variação do Channel. O mule eliminou essa correia, deixando os pés mais livres e arejados. 

Originado de um chinelo marroquino e muito popular na Turquia, aberto no calcanhar e fechado na frente. No século XVIII, as mules eram usadas baixas por homens e com saltinho pelas mulheres. Nos anos 40, ficaram conhecidos como "sapatos de quarto".
O apelo sensual da modelagem vestiu pés das pin-ups e estrelas de cinema nas décadas de 40 e 50. Como as babuchas, acompanharam a revolução hippie dos anos 70.
Mesmo modelos sofisticados não se prestam em festas tradicionais ou muito formais.

Babuche

Podemos dizer que este modelo é um parente do mule. A principal característica deste modelo é não deixar à mostra os dedos, mas deixando totalmente à mostra o calcanhar. O babuche geralmente possui bico arredondado, mas pode ter variações de bico fino e quadrado, porém diferente do mule, esse modelo não possui salto, em raros casos possui um salto mínino, ou elevação para dar a inclinação necessária ao modelo. Este modelo teve sua origem no Marrocos e teve seu auge na década de 1970, muito utilizado pelos hippies.

Alpargatas

As alpargatas são um tipo de calçado baixo, muito utilizado nos anos 70. A origem das alpargatas não é tão certa, mas sabe-se que são sapatos usados há muitos séculos pelos árabes. São calçados fechados rasteiros, confeccionados em lona e com sola em borracha ou corda. Com cara de verão, as alpargatas, além de frescas e confortáveis de usar, combinam com quase tudo e todos, já que são unissex. Por serem bem casuais e despojadas, elas sempre vão bem com roupas do estilo.



Chinelo

O chinelo é um tipo de calçado feito de borracha, PVC, couro, palha, tecido ou outro material. Possui o formato aproximado do contorno de cada um dos pés. A palavra "chinelo" vem do latim medieval *planella, de planus,-a,-um 'plano', talvez por influência do dialeto genovês cianella (it. pianella, dim. de piano 'plano'). Alguns chinelos apresentam uma tira, de largura variável, que passa sobre o peito do pé. Geralmente os chinelos são calçados de uso doméstico, durante os dias quentes, especialmente no verão, ou como acompanhamento do traje de dormir. Pode também compor parte do traje de banhistas, na ida à praia ou na beira da piscina. É um importante calçado no contexto de moda dia a dia, principalmente em cidades litorâneas e com clima quente. Suas principais características são os dedos de fora, sem salto (com salto seria uma sandália), e com ou sem tiras no tornozelo.



Rasteirinhas

Mais sofisticadas do que os chinelos, mas tão confortáveis quanto eles, as rasteirinhas são sandálias sem saltos e se tornaram escolha unânime para o verão das mulheres de cotidiano agitado. O modelo mais tradicional de sandália rasteira, aquele com tira entre os dedos e preso ao calcanhar, já era muito utilizado por povos da antiguidade, como os mesopotâmicos e os gregos. O mais parecido - em materiais - com o que as mulheres amam usar hoje em dia é datado de 72d.C e foi criado pelos judeus. Além de deixar os pés sempre fresquinhos, as rasteirinhas dão a sensação de segurança justamente por não dependerem de saltos para serem chiques e femininas, evitando incômodos e podendo ser usadas o dia todo. Quem imaginou que um calçado tão simples levaria as mulheres à loucura com aplicações de pedrinhas, strass e até acabamentos metalizados ou florais? Em cores quentes ou sóbrias, a rasteira é a peça-chave de qualquer look casual.


Tênis

Existem relatos de que os primeiros sapatos desportivos surgiram no ano de 1909. No ano de 1942 foi desenvolvida a primeira sola de borracha sintética. Com o passar dos anos, os tênis veio e vem ganhando diferentes estilos, cores e até acessórios. Tênis é bastante usado nos dias de hoje. Você pode usá-lo para praticar diferentes esportes, para sair à noite ou até mesmo durante as suas atividades diárias. Não se esqueça de procurar o tipo ideal para a prática de cada esporte. Atualmente os tênis tem característica direcionada para o treinamento que irá fazer. Com isso, você evita problemas, como por exemplo, futuras lesões. Existem vários tipos de tênis, específicos para varias atividades físicas e para o dia a dia.


Sapatênis

O sapatênis é a adaptação mais sofisticada do tênis esportivo. É uma versão do armário masculino que caiu no gosto do público feminino e está sempre em alta independente da estação do ano. A peça é confortável, delicada e charmosa que deixa o visual mais arrumado do que quando usado com um tênis comum.


Sneakers

É tênis, mas tem salto. Tem cara de esportivo, mas não são vistos nas quadras, parques ou academias, e sim, nos pés de famosas e fashionistas combinados com vestidinhos, saias, shorts e calças. Os sneakers começam a conquistar o coração das brasileiras e ganharam destaque especial com a design Isabel Marant.




Mocassim

O Mocassim foi criado pelos índios norte-americanos, e os modelos mais tradicionais mantém o visual “rústico” do calçado, utilizando camurça e franjas que dão um ar “étnico”. Apesar disso, existem modelos super modernos e estilosos, em cores vibrantes, couro e verniz. Normalmente o Mocassim não tem cadarço e é fechado. Em 1950 Elvis Presley vira uma espécie de embaixador do modelo. Em 1960 o modelo da Gucci com fivela de metal é eleito a it-piece de 1966 pelo jornal Sunday Times. Grace Kelly era fã. No Brasil, Eva Wilma adotou a versão com salto.
Loafer

Do armário masculino, sai uma das peças must-have da estação: os loafers, sapatos charmosos e superconfortáveis, estão fazendo a cabeça – e os pés – das fashionistas. Trata-se de sapatos sem cadarço, o resultado charmoso da mescla entre mocassins e slippers (os calçados para usar dentro de casa). São perfeitos para dar um toque boyish ao look. E, por ter o mesmo conforto e praticidade, podem muito bem roubar o lugar das tão amadas sapatilhas. É bem simples usá-los no dia a dia: vão bem com saias, vestidos e jeans. Para não ficar com um visual muito pesado, evite as calças volumosas, como as pantalonas.


Slipper

A inspiração são chinelos de veludo usados com pijama, dentro de casa. Para usar esse tipo de sapato, leve em conta que ele se parece muito com sapatilha. Assim, você não fica tão presa na hora de escolher uma roupa para combinar. O modelo é muitas vezes confundido com mocassim, mas a diferença está na parte de cima. No slipper, ela é muito mais simples e sem costuras, ao contrário do mocassim.
Oxford

O sapato Oxford, modelo fechado de amarrar ligado ao conservadorismo do guarda-roupa masculino, está migrando para as mulheres em versões mais modernas até mesmo com salto alto. O importante ao usá-lo é optar por peças femininas (como estampas florais ou acessórios românticos) que possam balancear a inspiração “masculina” do acessório e criar uma produção mais equilibrada. Este modelo de calçado recebeu tal nome justamente por ser muito utilizado entre os estudantes na universidade de Oxford, na Inglaterra.


Sandálias

No Antigo Egito, as sandálias dos egípcios eram feitas de palha, papiro ou de fibra de palmeira e era comum as pessoas andarem descalças, carregando as sandálias e usando-as apenas quando necessário. Sabe-se que apenas os nobres da época possuíam sandálias. As sandálias femininas podem apresentar-se tanto com salto-alto como com salto-baixo. Suas características identificadoras clássicas são: dedos de fora, necessariamente com salto (alto ou baixo) e presa por tiras no tornozelo, mas também pode se assemelhar ao chinelo, isto é, pode também ser solta nos tornozelos.


*Sandália Gladiador: o modelo gladiador tem tiras que envolvem as pernas, no geral até a altura do tornozelo, mas existem modelos que vão até a canela ou o joelho. Podem ou não ter salto.


Meia pata/Pump

Os sapatos meia pata possuem salto alto (normalmente altíssimo) e são chamados assim pois possuem uma plataforma na parte frontal, parecendo mesmo uma pata. A invenção desse sapato foi uma maravilha para as mulheres, pois assim o salto tão alto e desconfortável não é muito sentido, pois muito da altura já é descontada na plataforma frontal. Assim, as mulheres não abrem mão do salto altíssimo e ficam mais confortáveis.


Peep Toe

O peep toe se caracteriza por ser aquele sapatinho onde o dedo começa a aparecer: é aquele que tem um buraquinho na ponta dos dedos onde um ou mais dedos aparecem pela abertura, “ toe”em inglês é “ dedão do pe”, e “peep” é “espiar” por isso o nome. Ele pode ser fechado atrás igual um scarpin, ou aberto atrás com tiras. Pode ter o salto bem grosso e alto, ou ser mais baixinho e delicado. Mas, pra ser um peep toe tem que aparecer o dedinho na frente!


Tamanco/Clog

"Clog" significa tamanco em inglês. São altas plataformas de madeira, que podem ser vazadas ou não, e apresentam diferentes formatos. Também podem ser encontrados em forma de sapatilha, com altos solados, ricamente bordados, forrados e pintados. Também são chamados de clogs os tamancos típicos usados pelos alemães, bretões, holandeses e franceses, feitos de madeira, com bico pontudo virado para cima e solado mais baixo. Desde que Karl Lagerfeld colocou suas modelos de clog na temporada de verão 2010 da Chanel, eis que o tamanco virou febre e tendência fashionista no verão europeu.



Sapatilha/Sabrina
*Flats: são todos aqueles tipo de sapatos sem salto. 

As sapatilhas são delicadas e conquistaram o guarda-roupa feminino pela versatilidade, praticidade e conforto. São baseadas nas sapatilhas das dançarinas de ballet, sapatos sem saltos que podem ser uma ótima escolha pra um visual fashion. Existe uma imensidade de tipos de sapatilhas, cores, estampas e tecidos. Se for usar para o dia-a-dia aposte em cores vibrantes e estampados, se for pra uma noitada aposte em cores neutras, escuras, e com brilhos ou toques individuais


Espadrilha

É um sapato com salto feitos de tecido e o solado pode ser de corda, cortiça ou palha. Esse tipo de sapato se popularizou na década de 70. As mulheres chiques e famosas usavam como alternativa para o bom e velho chinelo de dedo e ficavam mais elegantes. Use suas espadrilhas no verão, pois elas deixam o pé fresquinho e ajudam a montar um look mais leve.



Galocha

A galocha é uma bota de borracha, sem cadarço, que se calça para proteger os pés do contacto com a água, preservando-os da umidade. Eram utilizadas em especial no interior do Brasil, na década de 50 e 60, no enfrentamento de ruas não calçadas e alagadiços.São voltadas principalmente para o uso em diferentes atividades profissionais, oferecendo proteção reforçada contra condições adversas de tempo, acidentes e outros. Hoje em dia vemos pelas ruas nas épocas de chuva, Galochas com várias estampas e cores diferentes e até com saltos.



Bota cano longo

Praticamente reconhecidas como um clássico para a mulher moderna, as botas de canos altos, conquistam as mulheres ousadas. As de cano bem altos, também conhecidas como Cuissardes ou Over the Knees, pois vão acima dos joelhos, surgem também com canos dobráveis, são bem sensuais e usadas como fetiches. Tanto para os dias mega frios quanto para os mais fresquinhos, podem ser combinadas com inúmeras peças de roupas e outros acessórios. A altura do cano das botas varia desde a altura dos joelhos e até as mais exageradas, chegando quase ao fim das coxas!


Bota cano médio

Está super em alta! A bota de cano médio com pegada brutalista se firma como contraponto de looks ladylike ou que pedem um toque de rebeldia. É que entre as propostas de botas com cano de comprimento médio que vamos encontrar, há estilos diferentes. Há os coturnos e derivados, que surgiram com os militares para as atividades de combate, são genuinamente mais pesados; mas há também modelos mais delicados, com salto alto e, eventualmente, bico fino .O look mais atual está baseado neste contrapeso aqui: Quando a produção for mais pesada, com uma pegada rocker, militar(coturnos), masculina e afins, os modelos de botas mais lights, mais delicados, fazem um belo contraponto, dando um toque de feminilidade.


Bota cano baixo/Ankle Boots

“Ankle” quer dizer tornozelo, ou seja, a bota vai até o tornozelo, mas pode avançar um pouquinho até a canela também. O modelo é ideal para compor looks estilosos e despretensiosos. Versáteis, elas podem ser utilizadas tanto em dias frios, como naqueles de meia-estação, basta saber combiná-las com o look da vez. Para o inverno 2012, ora surgem fechadas ou vazadas, ora surgem detalhadas com elementos de influência militar, como cadarços (estilo montanhismo, formato hiking boots) e fivelas, assim como, aveludadas, estampadas, texturizadas e, em geral, em tons fechados ou terrosos. Os estilos e materiais variam e misturam-se, e os saltos também.



Wedge

A boa e velha anabela, sandália característica do verão, sai de cena e ganha uma nova versão e um novo nome. Batizado de wedge, que significa "cunha", por causa do formato "blocado" do salto, o sapato que já foi promessa em temporadas anteriores, agora vai reinar nas ruas. O modelo surgiu como a grande aposta das principais marcas para as coleções Outono/ Inverno. Mesmo nas versões mais altas, é um dos sapatos mais confortáveis, em virtude da plataforma que ajuda a equilibrar o pé. Eles vêm em diferentes modelos e formas abusando dos materiais como couro, veludo e camurça, além de acabamentos diferenciados como tachas, spikes, glitter e rendas.


Ugg

São botinhas toda de tecido forrado com pelúcia. Muito usada em lugares frios e com neve.
T-strap

Sapatos ou sandálias presos por uma tira ao redor do tornozelo e outra que ligada a primeira se estende a partir do cabedal (parte superior do pé). Podem ser com salto ou sem salto e se remetem aos sapatinhos de boneca.


É isso girls!

"Também é moda"

Um comentário: