quarta-feira, 10 de julho de 2013

Relatos de uma Esposa de Pastor !


Eu era recém casada, tínhamos recebido a missão de pregar o evangelho em outro país, eu estava empolgada.
Chegando lá, parecia um mundo diferente, tudo era novo para mim, a linguá , a cultura, as pessoas..
Logo que chegamos descobri que dividiríamos a casa com mais 3 casais de pastores e suas respectivas esposas, dois daquele pais e um do Brasil .
Era um banheiro, Uma cozinha, Uma sala, e quatro quartos. 
Pelo menos os quartos eram divididos (pensei..)
A esposa mais antiga, me mostrou a casa e como era a rotina lá, as duas esposas natural daquele país faziam suas comidas segundo suas culturas e nós tínhamos que esperar na fila para fazermos a nossa.
O banheiro a mesma coisa, pela manhã, tinha que fazer uma fila , e não poderia levar mais que 15 minutos para se preparar.
O banho não era ali, era em um lugar com água potável que teria que andar a pé durante 12 horas, por isso tomavam banho um dia sim e um dia não. 
Enquanto isso apenas nos lavávamos com as águas de um pequeno recipiente, que tinha que ser trago no momento que fosse tomar o banho.
O caminho , para o local, era de barro puro, e com muitos buracos, um veiculo passaria ali com muita dificuldade.
Por lá ser muito quente , andamos por cerca de 12 horas em baixo de um Sol quente, mas o tempo todo pensava que chegar lá valeria a pena.
Porém a água dada, não era 100% limpa, e o local do banho era um cercadinho improvisado. 
Fiquei com nojo , mas tinha que tomar banho, então parei de frescura e fui.
O choque térmico da água gelada no corpo quente foi grande.. A noite já estava eu espirrando sem parar.
No Brasil a vida é fácil e as coisas são diferentes, demorei para me acostumar com o fuso horário e com a rotina da casa.
Passado uma semana, chegou Domingo, o dia de ir conhecer a igreja do meu esposo.
Para minha surpresa a igreja dele era um local aberto, em chão de barro, com bancos de madeira branca meio velhos e uma crus bem grande na frente.
Ele era titular daquele lugar que chamávamos de igreja, e se ele crescesse logo seria construído as paredes e a igreja física, porque espiritualmente aquele lugar já era uma igreja pois Deus habitava ali.
Sinceramente , fiquei surpresa , mas estava disposta a crescer com o meu marido, para que o povo tivesse um lugar melhor para buscar.
Para a primeira reunião, a das 10, tínhamos que ir evangelizar, o local que estávamos, entendia tanto o português como o inglês, isso me ajudou bastante!
Fui evangelizar com alegria, meu amor pelas almas estava saindo pelos poros, não via a hora de ajudar aquele povo com o semblante tão sofrido.
A cada passo que dava , me deparava com a miséria e a doença, crianças em carne e osso, mulheres agonizando no chão.
Era uma cena muito triste!
A vontade que eu tinha naquele momento era de desabar, mas eu não podia levar a solução para eles, banhada em lagrimas, então segurei a emoção e agi na fé!
Ainda estava um pouco resfriada devido ao banho gelado, e minha imunidade estava bem baixa.
Conversando com uma senhora, me sensibilizei com sua história e enquanto ela chorava lhe dei um abraço, mas eu não sabia que ela tinha uma doença contagiosa.. 

Continua na parte 2 ...

3 comentários:

  1. Estou ansiosa para ver a 2 parte! :) Deus abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Ta ligado Eduarda , acabei de postar minha linda, espero que te ajude, Deus abençoe ! beeijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Dona estou aguardando vc postar a continuação , estou super ansiosa entro todos os dias para ver o blog bjbj *-*

    ResponderExcluir